Anterior

Armazém da Fábrica – 1922 (O celeiro da Vila)

04/11/2019

Anterior

Próxima

Edição n° 341 de 02 a 08 de novembro de 2019

04/11/2019

Próxima
04/11/2019 - 16:02
Mathias Gianolla no comando da Emancipação
 Foto: Arquivo 

Participando das comemorações junto aos vanguardeiros

Era início dos anos 60, o descontentamento tomava conta do distrito. As empresas da Sociedade Anônima Indústrias Votorantim, sem se esquecer da Indústria Metidieri, geravam grande montante de impostos, que eram recebidos pela Prefeitura de Sorocaba e não voltada em melhorias como o saneamento básico.

As vilas operárias eram bem cuidadas, mas pelas equipes de manutenção formadas pelas próprias fábricas. No restante do distrito havia convívio com a falta de água e melhorias públicas.

Se instalava aos poucos um levante popular nas rodas de amigos sobre a necessidade do distrito se emancipar de Sorocaba. Não adiantava só reclamar, estava claro que a administração sorocabana não dava a atenção que Votorantim merecia.

Em meio às insatisfações, eis que surge um líder no movimento, era Mathias Gianolla, gerente da fábrica de tecidos Votorantim, que encampou a idéia e colocou em prática o suporte necessário para que a “Campanha do Sim” ganhasse força rumo ao plebiscito ocorrido em 1º de dezembro de 1963.

Mathias nasceu na vila de Baltar, quando garoto foi morar próximo ao portão da fábrica de tecidos Votorantim. Na empresa, com onze anos e meio era office-boy e aos poucos foi galgando novas funções, como auxiliar de apontador, apontador, gerente da fábrica por 30 anos e por último diretor industrial.

Estudou até o segundo ano primário, mas adquiriu muito conhecimento fazendo aquilo que mais gostava, ler muito. De personalidade forte, não desistia quando queria algo. Foi com essa disposição que se uniu aos operários e a comunidade a trabalhar pela Emancipação.

Transformou o Clube Atlético Votorantim (CAV) num quartel a favor da campanha do “Sim”, ali fazia as carteirinhas de vanguardeiros e distribuía os tecidos estampados com os motivos favoráveis ao desmembramento.

Se para alguns o apoio empresarial tinha outro interesse como a redução de impostos, fato verificado posteriormente com a aprovação da Câmara, o certo é dizer que o maior beneficiado foi o povo que saiu às ruas, experimentou a independência e hoje se orgulha de Votorantim como cidade.


Cesar Silva é jornalista e autor 

de três livros sobre a história local

Visite a Fanpage: Histórias da 

Minha Cidade –Votorantim


 

Coluna publicada na página 18, da edição nº341 da Gazeta de Votorantim, de 02 a 08 de novembro de 2019.

 



Veja mais fotos:

  1. Mathias e o senador José Ermírio de Moraes

  2. Mathias e o senador José Ermírio de Moraes







Deixe seu comentário



Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.