Anterior

Está fora de moda praticar o simples

09/09/2019

Anterior

Próxima

Classificados edição nº333

09/09/2019

Próxima
09/09/2019 - 14:53
Histórias da Minha Cidade: O que mudou nos desfiles da cidade?

No desfile de 1981 na avenida 31 de Março

Numa pequena comunidade todos se conhecem, cultivam os mesmos hábitos e na simplicidade alegam que são felizes. Então dá para dizer que no passado, Votorantim se mostrava mais unida e envolvida em ações sociais e comunitárias.

Eram acontecimentos religiosos, datas comemorativas, eventos programados pelas fábricas ou pelo Poder Público que mobilizava com maior facilidade a presença de um grande público. Uma época que não existiam muitas opções de lazer, mas a população interagia a qualquer chamamento que surgisse.

Um desses acontecimentos era o desfile do Dia da Pátria. O cidadão sentia no seu íntimo uma cobrança maior quanto à necessidade de prestigiar o evento cívico e a presença era vista realmente como uma homenagem à Pátria e não somente como um feriado do calendário nacional.

Era com essa disposição que manifestava a vontade de acompanhar o desfile, muitos se deslocando a pé de suas casas, na abertura do evento cantando de boca cheia o Hino Nacional, durante as apresentações segurando uma bandeirinha de plástico da Bandeira e aplaudir incansavelmente cada atrativo que se apresentava na avenida pelos desfilantes.

O público era mais participativo, o fato da presença de alguém da família na condição de desfilante já era motivo para que todos os entes mais próximos comparecessem.

Percebia-se que nas escolas estaduais também havia maior interesse em montar suas fanfarras. Era até bonito ir ao local do desfile e ver boa parte das unidades escolares trazendo seu conjunto musical.

Havia o orgulho dos alunos de ostentar o nome do patrono da sua unidade escolar, simplesmente participando de uma das alas de desfilantes ou empunhando um dos instrumentos da fanfarra. Era um sentimento de compromisso cidadão e da sensação do dever cumprido na sociedade como um todo.

Que possamos ter em mente a busca pela melhor maneira de reverenciar a Pátria nos desfiles cívicos e a cidade nos desfiles de aniversário. Que os desfilantes possam celebrar com tamanha vivacidade assim como sempre tiveram seus pais e avós.

 

Cesar Silva é jornalista e autor de três livros sobre a história local - Visite a Fanpage: Histórias da Minha Cidade –Votorantim

 

Coluna publicada na página 14 da edição nº333, do jornal Gazeta de Votorantim, de 07 a 13 de setembro de 2019.



Veja mais fotos:

  1. Desfilantes na rua Ovídio Godinho, no bairro da Chave

  2. Desfilantes na rua Ovídio Godinho, no bairro da Chave







Deixe seu comentário



Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.