Anterior

Votorantim recebe Mutirão do MEI em 17 de maio

13/05/2019

Anterior

Próxima

Apenas 3,75% dos eleitores de Votorantim com títulos de eleitor passíveis de cancelamento regularizaram a situação no prazo

13/05/2019

Próxima
13/05/2019 - 12:22
Alunos reclamam de falta de água em escola, mas dirigente de ensino nega que haja desabastecimento total

Ivana Santana
 Foto: Ivana Santana 

Segundo aluna, uma única torneira tem água

Alunos, pais e vizinhos da Escola Estadual Prof.ª Selma Maria Martins Cunha, que fica no bairro Jardim Tatiana, em Votorantim, afirmam que a escola está sem água há duas semanas. De acordo com a estudante Júlia dos Santos Pereira, de 15 anos, que estuda na escola no primeiro ano do ensino médio no período noturno, apenas uma torneira do pátio tem água, que vem da rua e essa água é usada para o preparo da merenda escolar, segundo a adolescente. De acordo com a dirigente regional de ensino de Votorantim da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, Tereza Milano, a escola não ficou totalmente sem água em nenhum momento e água filtrada é usada no preparo da merenda.

A afirmação da dirigente se contradiz com o relato da aluna. “Os funcionários da escola falam que a gente pode beber a água da torneira e que não tem mal nenhum, e sobre a comida, eles falaram que estão fazendo com a água dessa torneira também. De resto, está sem água na escola, não tem água no banheiro, nas torneiras e no bebedouro há duas semanas. Pelo menos até ontem (terça-feira, dia 07) eu vim para a escola e ainda estava sem água”, relata Júlia. “O banheiro está nojento. Se a gente fala que vai faltar, eles falam que vão dar falta e tirar nossa vaga da escola. É horrível, porque tem que segurar a vontade de ir ao banheiro até chegar em casa. E eu tenho trazido água de casa para beber, mas às vezes acaba e a gente tem que beber da torneira mesmo. Tem professor que não bebe a água dali”, relata a jovem. Mesmo com os professores dando falta, Júlia diz que poucos alunos têm ido à escola nos últimos dias.

O empresário Rogério de Lima, de 39 anos, mora no bairro e disse que alguns pais de alunos o procuraram para relatar a situação. Ele fez uma live (vídeo ao vivo) no Facebook na manhã de quarta-feira (08) mostrando os problemas da escola.  “O principal problema aqui é a caixa d’água. O diretor da escola me falou que tem escada e pedaços de barra de ferro lá dentro. Além disso, tem um vazamento de água que não está sendo solucionado e isso está rachando a estrutura da escola. Parte de um corredor e a frente da escola está afundando. Pelo fato de a escola ter sido construída em um aterro, com o movimento ela acaba cedendo. É uma coisa simples, é só mudar a tubulação para outra posição, pois se deixar da mesma forma, isso vai acontecer de novo daqui alguns meses. Também não tem impermeabilização nenhuma na caixa d’água, tem vazamento constante, e eu acho que nem limpeza foi feita”, explica Rogério.

Rogério enviou algumas fotos para a nossa redação, nas quais é possível visualizar rachaduras e uma parte do piso quebrado em um corredor.

A cozinheira Dirlene Maria Lima dos Santos, de 46 anos, é mãe de Julia e diz que está preocupada com a situação. Mesmo com a marcação de faltas, ela diz que a filha deixou de ir à escola por uma semana por causa da situação. “Essas faltas vão acabar comprometendo a vida escolar da minha filha e de todos os alunos. Vão chegar as férias do meio do ano e vão querer que reponha aula, vão querer encher os alunos de trabalhos e provas, como se eles fossem os culpados dessa situação da escola. E os alunos não podem usar o banheiro. Isso pode causar uma infecção urinária na minha filha, que pode ir parar no hospital. E a escola não vai reembolsar o dinheiro de remédio que eu vou gastar com ela. E estão pegando água da torneira do pátio para fazer comida e beber, e se é água da rua, é tratada, mas não é filtrada. Corre o risco de quem beber essa água pegar alguma bactéria, e isso tem me preocupado”, desabafa Dirlene.

A dona de casa Cristina Benfica, de 33 anos, mora no Jardim Tatiana e é mãe da Andreina, de 12 anos, que está no sexto ano na escola no período da tarde. Ela afirma que a filha passou mal nos últimos dias, e ela suspeita que seja pelo fato de a filha estar consumindo água da rua. “Minha filha estava boa e, do nada, ela começou a ter muita dor de estômago nos últimos dias. Agora mesmo fui ao médico e vi por lá um menino que estuda aqui e que está doente, e a mãe dele me disse que também acha que é por causa da água da escola. A gente não tem nenhuma confirmação, mas acreditamos nossos filhos estejam adoecendo por causa da água. Eu estou deixando de mandar ela na escola por causa dessa situação. Ela já chegou esses dias a passar mal dentro da escola”, relata Cristina.

 

Dirigente regional de ensino afirma que escola não está com falta total de água

A dirigente regional de ensino de Votorantim da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, Tereza Milano, admite que há problema de abastecimento na escola e que existem dois vazamentos em canos e na caixa d’água, porém, ela afirma que a escola não está totalmente sem água em bebedouro e banheiros. Tereza diz que foi comunicada do problema há cerca de uma semana e que esteve na escola na manhã de quinta-feira (09) para verificar a situação.

“Já foram detectados os dois locais de vazamento. Nos dois primeiros dias que tivemos esse problema eles ficaram com pouca água, mas não sem água totalmente. Isso aconteceu porque o diretor da escola está tendo que encher a caixa d’água, que vai esvaziando com o uso. Como a vazão de água desses dois vazamentos é grande, a caixa esvazia rápido. Então o diretor vai, liga o registro, enche a caixa d’água para atender a demanda, e depois de umas duas horas ele tem que verificar de novo, mas está conseguindo manter. A caixa também está com vazamento, quando ela chega em um certo nível, o diretor tem que desligar para parar de encher senão ela fica vazando. Como a caixa está com problema de vazamento, pode ser que por uns dez minutos acabe a água, daí é o tempo de ele ir acionar e encher novamente a caixa d’água, mas o bebedouro está com água e ele tem uma central de água gelada, que é com filtro”, relata a dirigente.

A dirigente diz também que não há ferros e escada dentro da caixa d’água. “A única escada que tem na caixa d’água e por fora, para dar acesso para manutenção. Jogado lá dentro não tem nada”, destaca.

Sobre os alunos que passaram mal, Tereza diz que não pode opinar. “Precisaria fazer um exame nos alunos que passaram mal para detectar se a causa é a água mesmo. Mas acredito que não é por conta da água. A água está passando pelo filtro. A merenda está sendo feita com água filtrada”, afirma.

Tereza afirma que desde que soube do problema tomou providências, indo atrás de orçamentos e pedindo verbas para a reforma necessária. “As rachaduras e o piso quebrado no corredor são por causa do vazamento. Realmente o vazamento é grande e afundou um pouco e trincou alguns pisos. Mas nós já estamos com um orçamento pronto para a reforma, acho que segunda ou terça-feira da semana que vem já começa a reforma. Será feito encanamento externo para minimizar os problemas. A obra custará R$ 32 mil e no máximo em 15 dias tudo estará normalizado, mas estamos acertando com a empresa e em dois ou três dias depois do início da obra acreditamos que já resolva o problema do vazamento e regularize a água. Já vamos aproveitar e impermeabilizar a caixa novamente”, explica.

A dirigente diz que não é a primeira vez que esses problemas ocorrem na escola, mas afirma que eles não são provenientes de falta de manutenção. “Foram feitas manutenções, na verdade grandes reformas no local em 2011, 2013, 2015 e 2018. Os outros consertos foram feitos por causa dos mesmos problemas que está tendo hoje”, frisa.

Tereza diz que como existe água nos bebedouros e banheiros, não há motivo para os alunos faltarem. “Se o aluno não comparecer à escola, é óbvio que irá ficar com ausência. Quem faltou vai ter oportunidade de repor essas aulas e fazer atividades de reposição. Mas como são faltas individuais por aluno, irá haver um plano de reposição individual por aluno, que pode se no contraturno, pode ser através de trabalhos com orientações, entre outros”, conclui.


Publicado na página 05 da edição nº316, do jornal Gazeta de Votorantim, de 11 a 17 de maio de 2019.



Veja mais fotos:

  1. Caixa d´água tem vazamento - por Ivana Santana

  2. Caixa d´água tem vazamento - por Ivana Santana
  3. Rogério de Lima

  4. Rogério de Lima
  5. Dirlene Maria e sua filha Júlia

  6. Dirlene Maria e sua filha Júlia
  7. Cristina Benfica

  8. Cristina Benfica
  9. Tereza Milano

  10. Tereza Milano
  11. Encanamento quebrado causou infiltração e trincas - por Rogério de Lima / Arquivo pessoal

  12. Encanamento quebrado causou infiltração e trincas - por Rogério de Lima / Arquivo pessoal







Deixe seu comentário



Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.