Anterior

Projeto voltado à palhaçaria tem na semana que vem, última oficina

13/03/2018

Anterior

Próxima

Medição: conheça os tipos de ferramentas disponíveis e como usá-las

13/03/2018

Próxima
13/03/2018 - 11:30
Lesão de Neymar é um dos traumas mais comuns relacionados aos pés

Problema pode ocorrer com o uso de sapato de salto ou calcados inadequados durante pratica esportiva
 Foto: Divulgação/ Ilustração  

Na última semana o mundo do futebol voltou suas atenções para o jogador de futebol Neymar, atacante do Paris Saint Germain, que saiu de campo após uma lesão no pé, no primeiro jogo contra o Real Madri, válido pelas oitavas de final da Liga dos Campeões da Europa. 

O motivo: fratura no quinto metatarso, osso na extremidade externa do peito do pé. Embora este tipo de lesão tenha ganho destaque por conta da fama do jogador, o problema é mais comum do que se imagina, como conta Dra. Marina Monteiro, médica ortopedista especialista em pé e tornozelo da clínica Ápice Medicina Integrada. “É comum este tipo de lesão no pé, pois a região está sempre exposta a sofrer traumas e impactos, além disso, o pé é mais frágil que a coxa, por exemplo, que possui toda musculatura ao redor para proteção dos ossos”. 

No caso de atletas, como o Neymar, a lesão pode ter ocorrido por excesso de treinos intensos. “No dia a dia, a fratura do metatarso é mais frequente em quem costuma praticar esportes como o futebol sem o uso de calçados adequados e em terrenos irregulares. Também é comum fraturar o pé nos entorses provocados pelo uso de salto alto ou ao pisar em um buraco”, completa Dra. Marina. 

O tratamento nem sempre precisa de intervenção cirúrgica, como foi o caso do atleta brasileiro. “Depende muito da lesão. Na maioria dos casos, imobilização, repouso e fisioterapia são suficientes para uma recuperação saudável. A cirurgia é indicada em casos de fraturas mais graves ou em atletas, que precisam se recuperar mais rapidamente”, ilustra a médica.

A opção por não operar o pé após fratura do metatarso não apresenta riscos, quando a decisão é respaldada pelo médico. “Se a fratura não é grave, não há risco de sequelas se não for feita cirurgia, porém, é importante que o tratamento seja seguido à risca”, conclui Dra. Marina.

 

Fonte: Assessoria de Imprensa 










Deixe seu comentário



Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.