Anterior

Vereador Zelão questiona secretaria sobre implantação da lei do passe livre para pacientes dos CAPS

13/03/2018

Anterior

Próxima

Entidades se reúnem em busca de fortalecimento e voz ativa

13/03/2018

Próxima
13/03/2018 - 09:44
Período escolar: a dor de cabeça pode atrapalhar as atividades diárias dos pequenos, fiquem atentos, papais!

Pediatra explica quando o evento acontece, além de como prevenir e tratar o mal-estar
 Foto: Divulgação  

Segundo a Sociedade Brasileira de Cefaleia (SBCe), 95% das pessoas têm dor de cabeça pelo menos uma vez na vida e esse episódio pode começar já na infância. Dados da SBCe apontam que, pelo menos, 5 milhões de crianças e adolescentes brasileiros sofrem deste mal periodicamente. Para a pediatra Denise Katz (CRM 63548-SP), os fatores desencadeantes são diversos e o mais importante é estar atento a rotina da criança para um diagnóstico preciso desta que é uma das maiores reclamações de consultório.

Infecções por doenças virais como, amigdalite, alergias e sinusite; excesso de atividades, tecnologia e estresse, além de alimentos como chocolate, queijos duros e envelhecidos e carnes processadas e a falta de sono são alguns dos sinais de alerta para a cefaleia, que têm sintomas distintos de acordo com sua origem.

A cefaleia causa dor constante em ambos os lados da cabeça. A dor de cabeça por tensão causa dor no pescoço e base da cabeça. Já a enxaqueca é mais rara em crianças, costuma ocorrer em filhos de pais enxaquecosos e vem acompanhada por dores pulsantes na cabeça, podendo ter alteração visual (aura). Mas como diagnosticar e trata-las?

Previna os gatilhos da dor controlando o tempo de tela, estresse, sono, alimentação, e exposição do seu filho ao sol. Também incentive atividade física regularmente e medique com analgésicos à base de ibuprofeno, como Alivium, quando a prevenção não for o suficiente. No entanto, não deixe de procurar orientação médica para investigar a origem da dor, se ela ocorrer frequentemente. Não se esqueça de anotar os eventos ocorridos nos dias que antecederam a dor e explique, com ajuda do seu filho, os sintomas que o pequeno sente.

 

Fonte: Assessoria de Imprensa










Deixe seu comentário



Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.