Anterior

Projeto de lei para individualização de hidrômetros tramita na Câmara de Votorantim

17/04/2017

Anterior

Próxima

Novas famílias ocupam favela do Palmeirinha

17/04/2017

Próxima
17/04/2017 - 14:45
TVV E Gazeta de Votorantim são invadidas e empresária é agredida
 Foto: Divulgação 

A  TV Votorantim (TVV) e Gazeta de Votorantim, localizadas na Rua João Walter, no Centro, foi vítima de invasão de uma comerciante por causa de uma vaga de trânsito, na tarde de 29 de março. Na ação, a invasora agrediu verbalmente e fisicamente uma funcionária e fez ameaças à proprietária da empresa, que prestou queixa de violação na Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) na última semana.

Segundo relato da vítima, M. M. S, ela estava em sua sala atendendo um cliente quando foi surpreendida com a invasão por uma “senhora desconhecida” a qual estava alterada e insultou-a com palavras de baixo calão. “Você não presta, eu faço o que eu quero, pessoa de sua laia é assim que trato, este país não tem lei, cale a sua boca, você chamou a Polícia pra mim”, entre outros insultos, relatou a empresária sobre as injúrias que recebeu, informando que durante toda discussão ela indagava a acusada o motivo pela qual dirigia as ofensas a ela e não obteve resposta. Além das ofensas, a vítima foi ameaçada. “Vou acabar com você”, disse a comerciante que agia com descontrole.

Após minutos de discussão e ameaças, a agressora deixou o local, sem se identificar e dialogar sobre o motivo da invasão e agressões.

A vítima relatou também no Boletim de Ocorrência (BO), que para ter acesso às salas, as pessoas precisam de senhas nas portas e aguardar autorização de entrada na recepção. A mulher visivelmente alterada não respeitou a empresa e os funcionários, empurrou uma funcionária e forçou a entrada, invadindo a sala sem autorização.

Posteriormente, a empresária identificou a mulher e suspeitou de um desentendimento que já ocorre no local por algumas semanas por motivos de vaga de trânsito, porém não foi com a vítima os desentendimentos anteriores, e sim com outras pessoas.

A comerciante teria rebaixado a guia irregularmente, uma vez que o recuo para um suposto estacionamento na frente do estabelecimento não possui a metragem mínima necessária, e pintado, também irregularmente, de amarelo a guia de uma calçada e posteriormente feito um par de rampas na calçada, proibindo o estacionamento de veículos nas proximidades da sua loja, o que causou desavenças recorrentes na vizinhança.

Toda a invasão e agressão foram gravadas pelo sistema de segurança e entregue às autoridades policiais. O caso será investigado pela Polícia Civil de Votorantim.

Segundo a Delegada da Defesa da Mulher, Adriana Sousa, o crime contra mulheres no trânsito não é comum na cidade de Votorantim. De maneira geral, a autoridade orientou às mulheres que forem vítimas de algum tipo de agressão física ou verbais relacionadas ou não a discussões no trânsito devem procurar a Delegacia de Defesa da Mulher e relatar a ocorrência à Polícia para apuração dos fatos e punição ao agressor ou agressora.
 
Direitos e deveres de comerciantes e moradores

Discussões no trânsito e dúvidas relacionadas às vagas de estacionamento são comuns, assim como o motivo que originou a ocorrência policial na última semana na cidade. Segundo a Secretaria de Mobilidade Urbana e Guarda Patrimonial (SEMU), o veículo pode permanecer estacionado na via desde que não haja restrições, como faixa amarela e guia rebaixada da forma regulamentada. Caso haja essa situação, o proprietário do imóvel ou comércio é orientado a agir conforme a lei, que é acionar a Polícia Militar ou Guarda Civil Municipal, sob pena do infrator ter o veículo removido caso seja comprovada a infração.

Em contrapartida, segundo o diretor do Departamento de Trânsito de Votorantim, Jocelin Walter, é proibida a intervenção com placas e cones do morador ou comerciante nas vagas de trânsito nas ruas. “Orientamos para que os comerciantes e munícipes procurem a secretaria competente para solicitar e regularizar as devidas construções em seus comércios e residências. De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), toda sinalização horizontal e vertical deve ser aprovada pelo órgão executivo de trânsito do município.” esclareceu o responsável.

Em caso de necessidade de qualquer alteração nas vias públicas, a Secretaria de Obras e Urbanismo (Sourb) informou que o proprietário deve apresentar o projeto de reforma e adequação e nele constar que o espaço de recuo para ser utilizado como estacionamento deve ter no mínimo cinco metros, fora à calçada. Entregue o projeto na Prefeitura, um fiscal fará visita na obra e se aprovado será emitido o auto de vistoria.

A Sourb informou ainda, que no caso de algum espaço estar sendo ocupado indevidamente para estacionamento, sem a metragem correta, além da fiscalização rotineira, o próprio munícipe pode utilizar o Serviço de Informação ao Cidadão (SIIC) da Prefeitura Municipal de Votorantim, pelo telefone 3353-8731 ou 3353-8732, para solicitar vistoria no local.

Ausência do poder público


O jornalista Werinton Kermes, fundador da Gazeta de Votorantim e diretor da TV Votorantim, relatou que nos oito anos que está estabelecido na Rua João Walter já presenciou diversas discussões por conta de estacionamento e do trânsito do local, que segundo ele, realmente é caótico. “É uma região onde as regras de trânsito são descumpridas por motoristas e por moradores que chegam a colocar correntes em suas calçadas para que não sejam usadas como estacionamento. O maior responsável pelo que aconteceu na TV Votorantim e na Gazeta de Votorantim é o poder público municipal que falha na fiscalização. O caso específico ocorreu em um imóvel residencial que passou a ser comercial.

Foram feitas as adequações e modificações na forma que a locatária entendia que era melhor para ela, sem ter a autorização da prefeitura. E a prefeitura, por sua vez, não fiscaliza com eficiência e muito menos pune. Com isto, as discussões são constantes, mas sempre as pessoas conversaram e se entenderam. Nestes anos nunca ninguém chegou a ter esse tipo de descontrole. O que assistimos foi uma cena provocada por uma pessoa desequilibrada, sem argumentos, e sem vivência coletiva. Estamos vivendo em um mundo de desrespeito e de falta de amor cristão. Quando assisti ao vídeo da invasão, o meu sentimento foi de pena de ver uma senhora naquele estado por algo tão pequeno. É triste. O caso não deveria ser de polícia e sim de tratamento de saúde, ninguém merece ser infeliz, a vida é para que possamos viver bem e em harmonia, rezo por esta senhora”, finalizou Kermes, irmão da vítima de agressão.

 

Reportagem publicada na página 03 da edição 214 da Gazeta de Votorantim de 14 a 20 de abril de 2017










Deixe seu comentário



Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.